No desenvolvimento do trabalho de Sérgio Rabinovitz venho observando a procura e o domínio da forma, ao invés de deixá-la perder-se em nuances e texturas.
Traços caligráficos, símbolos visuais de uma intensa claridade definem a forma ancestral de expressão e comunicação.

O uso da cor no seu trabalho acentua e separa os elementos internos e primordiais no campo visual.

A simbologia encontrada por Sérgio traz ao espectador, tão quanto ao artista, uma forma de prazer e descanso, mostrando-nos como devemos aprender a ler e interpretar nossos símbolos, que há muito vem trancados e reprimidos pela parafernália da comunicação de massa.

Esses traços e elementos são vistos através da visão pura do homem, por que deles nós fazemos parte.

Aparentemente não se podem diferenciar os traços visuais de Sérgio Rabinovitz dos desenhos feitos pelo homem primitivo, porque reside ai o infinitesimal avanço das civilizações, mas se poderá descobrir os anseios de uma civilização futura.
Pertence a ele essa procura de contemporaneidade.

Mario Cravo Neto
Salvador, 3 de julho de 1980

41b8b51b9aca5b1f0b3b61dab8d7d507